O BLOG

Uso este espaço para postar alguns temas que gosto: arquitetura, construção, sistemas construtivos, paisagismo, patrimônio cultural, arte, museus/museologia, design, escultura, finanças, fotografia, música, e outras coisinhas..

Este blog é fruto das minhas leituras, edito o que mais gostei...para nossa inspiração!

Obrigada pela visita e volte sempre.

Seja Bem-Vindo (a) !!!

Este blog foi elaborado pela arquiteta Marjorie Karoline © 2008-2016

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Consumo de placas cerâmicas - Como evitar perdas cerâmicas


No Brasil é muito comum usar placas cerâmicas como revestimento em ambientes internos molháveis (banheiros, área de serviço e cozinhas) e também decorativamente em salas e quartos.
O revestimento cerâmico é aplicado sobre uma base, que pode ser de alvenaria de tijolos ou blocos, revestida ou não com argamassa, ou sobre paredes e pilares, entre outros substratos. Para aplicar o revestimento, é recomendável o uso de argamassa colante, que possui as propriedades adequadas para uma boa aderência. Em seguida, faz-se o rejuntamento com pasta ou argamassa, a fim de preencher as juntas entre as peças.
O principal componente do revestimento, portanto, pelo custo e propriedades, é a placa cerâmica. Por isso é importante entender onde e quando acontecem as perdas.
Em primeiro lugar, deve-se estimar a quantidade para fazer o revestimento, como é mostrado na figura a seguir, para uma placa cerâmica de lados "L1" e "L2", com rejuntamento de espessura "e".

Quadro-comentário numérico:  consumo teórico de placas para execução de 1 m² de revestimento cerâmico interno de parede



Número de placas por m² =
1 / (L1 + e) x (L2 + e)

Exemplo
L1 = L2 = 19,7 cm = 0,197 m;      
e = 3 mm = 0,003 m
Número de placas =
1 / (0,2 x 0,2) = 25 placas por m²
Como regra, é necessária uma quantidade maior de placas que a calculada no exemplo, devido às perdas, que podem acontecer por quebra durante o transporte, descuido no manuseio e cortes mal-executados em volta de torneiras, caixas de elétrica etc.
As perdas médias observadas nas obras são de 10% das peças. Para cada dez peças, uma é desperdiçada. Com um projeto bem-feito e alguns cuidados, pode-se reduzir muito essas perdas. Por exemplo, se o ambiente é pequeno, use peças pequenas, senão será necessário fazer muitos cortes nas peças grandes. Também é importante usar as ferramentas certas para cortar as peças e fazer antes um projeto de "paginação".

Dicas para reduzir as perdas
» Defina a dimensão das peças e disposição das fiadas (isso é a modulação). Tente fazer com que as peças cheguem inteiras até a parede, para não ter que cortar muitas peças.
» Em ambientes pequenos e recortados, placas grandes não são recomendáveis, pois vai gerar mais cortes e, portanto, mais perdas.
» Tome cuidado ao manusear as caixas: evite impactos no descarregamento, transporte e estocagem. Não deixe as caixas expostas à umidade.
» Siga a paginação feita pelo arquiteto ou pelo mestre.
» Use ferramentas (elétricas e manuais) adequadas para cortar as placas.
» Reúse (aproveite) as tiras geradas de cortes. É possível fazer faixas, tozzettos e outros detalhes decorativos.
» Em vez de todo mundo cortar peças, estabeleça uma central de corte.
» Assentamentos em diagonal como regra geram mais perda que a prumo.
» Acompanhe e controle o consumo previsto.

Revista: Equipe de Obra 
Dica: Ubiraci Souza, Professor na USP - Politécnica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os Comentários são moderados.
Não serão publicados comentários fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.