O BLOG

Uso este espaço para postar alguns temas que gosto: arquitetura, construção, sistemas construtivos, paisagismo, patrimônio cultural, arte, museus/museologia, design, escultura, finanças, fotografia, música, e outras coisinhas..

Este blog é fruto das minhas leituras, edito o que mais gostei...para nossa inspiração!

Obrigada pela visita e volte sempre.

Seja Bem-Vindo (a) !!!

Este blog foi elaborado pela arquiteta Marjorie Karoline © 2008-2016

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Ponte estaiada é inaugurada na Marginal Tietê, em São Paulo


Executada em estais em balanço sucessivo, vigas pré-moldadas e caixão perdido, estrutura de 660 m de extensão ligará a Avenida do Estado à pista sentido Castelo Branco

O Governo de São Paulo inaugurou nesta quarta-feira (27) a Ponte Estaiada Governador Orestes Quércia, na zona Norte da capital paulista. Com 660 m de extensão, a estrutura faz parte do projeto da Nova Marginal do Rio Tietê e ligará a Avenida do Estado à pista sentido Castelo Branco. A obra foi executada pelo Consórcio Desenvolvimento Viário, formado pela Empresa Industrial Técnica (EIT) e pela Egesa Engenharia, sob supervisão da Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa).


A estimativa é de que 25 mil veículos circulem pela ponte todos os dias

Para a execução da ponte foram empregados três sistemas diferentes: estais em balanço sucessivo na parte central, vigas pré-moldadas no trecho do sentido Castelo Branco e caixão perdido no lado acima do sentido Ayrton Senna. "A escolha por ponte estaiada foi feita pela necessidade do vão. Havia intervenções do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) por causa da navegação e também porque não tinha espaço na Marginal para colocar a execução do pilar. Agora, o caixão perdido se tornou a melhor opção porque a curva é bem acentuada naquele trecho", explica Mario Gaspari, gestor de contrato do Consórcio Desenvolvimento Viário.

Segundo o engenheiro, a ponte tem 55 m de altura desde a fundação até a ponta do mastro central. O tabuleiro da ponte possui 15,20 m de largura, sendo 11,70 de trecho carroçável. Ao todo, serão três faixas de rolamento de 3,5 m cada uma, além de duas bordas de 60 cm para a drenagem da água. A ponte não terá calçadas para pedestres e funcionará em um único sentido.

Antes de ser aprovado, o projeto passou por uma bateria de testes realizada pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), com a intenção de avaliar os efeitos estruturais devido às ações dos ventos na região.

Etapas de construção

O mastro da ponte é localizado no canteiro central da Marginal no sentido Ayrton Senna. A fundação foi executada em tubulões com ar comprimido com 17 m de profundidade. De acordo com o consórcio, o projeto exigiu 22 tubulões com 2,60 de diâmetro cada um. Já a concretagem dos pilares foi feita com fôrma trepante de 3 m de altura. Depois de 14 m prontos, começou-se a colocar o tubo fôrma para a fixação do primeiro estai. Ao todo, a ponte possui 88 estais, sendo 22 para cada extremidade.

Assim que o pilar alcançou o arco superior do mastro, iniciou-se a execução das 22 aduelas estaiadas. A aduela de partida foi feita com cimbramento e fôrma convencional. As demais foram executadas em balanço sucessivo. Cada aduela tinha 6,5 m de comprimento e foi executada em um ciclo de sete dias.

A parte estaiada já estava quase concluída quando foi iniciada a construção das extremidades da estrutura. No trecho das vigas pré-moldadas, todas as peças já vinham sendo fabricadas no próprio canteiro de obras e foram colocadas com um guindaste de 500 t. Segundo o consórcio, o trecho utilizou cerca de 30 vigas de 30 a 35 m de comprimento. Após a colocação das peças, executou-se as lajes e o tabuleiro em si. Já o trecho em caixão perdido foi moldado in loco.



Ponte funciona em um único sentido


Ficha técnica
Cliente/Gerenciamento: Dersa (Desenvolvimento Rodoviário) / Governo de São Paulo
Construção: Consórcio Desenvolvimento Viário, formado pela Empresa Industrial Técnica (EIT) e pela Egesa Engenharia
Fundações: Arcon
Projeto estrutural: Lenc Engenharia e Consultoria
Início da obra: Novembro de 2009
Término da obra: Julho de 2011

Ana Paula Rocha - Revista Téchne

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os Comentários são moderados.
Não serão publicados comentários fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.