O BLOG

Uso este espaço para postar alguns temas que gosto: arquitetura, construção, sistemas construtivos, paisagismo, patrimônio cultural, arte, museus/museologia, design, escultura, finanças, fotografia, música, e outras coisinhas..

Este blog é fruto das minhas leituras, edito o que mais gostei...para nossa inspiração!

Obrigada pela visita e volte sempre.

Seja Bem-Vindo (a) !!!

Este blog foi elaborado pela arquiteta Marjorie Karoline © 2008-2016

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Color Block na decoração


A tendência na arquitetura em 2011 levou muito em conta as cores mais neutras, os tons de cinza e preto, o bege o marrom, impulsionados por ambientes mais antigos ou com ar mais clean. 
Mas, como sempre, a inovação achou um jeitinho de participar. Para contrastar com esse tom mais sóbrio, criou-se uma tendência chamada de color block.

O movimento consiste, basicamente, em quebrar a monocromia de um espaço utilizando algum elemento que tenha uma cor bastante expressiva. 

A cor pode vir de qualquer coisa, e aí que está a graça. Pode ser uma parede amarela, um sofá vermelho, um vaso azul, cadeiras coloridas ou bancos com estampas alegres. Vale tudo, só tome cuidado para que a decoração não destoe muito do estilo do ambiente em si. Você também pode usar o color block de um jeito diferente, aplicando padrões e texturas nas paredes, por exemplo.


O movimento foi inspirado no trabalho do pintor holandês Piet Mondrian, que ficou famoso por usar as cores primárias (azul, vermelho e amarelo) para dar vida a quadros geométricos com fundo branco e/ou preto. 
Veja alguns trabalhos de Mondrian:


Uma opção para a decoração é usar objetos transparentes casando com peças coloridas. Cadeiras, vasos, potes, o que a sua imaginação desejar. 
Abaixo, um exemplo de transparência + color block:


A mesinha, quase invisível, dá destaque à tigela em cima dela. Essas peças estão sendo muito usadas, principalmente por quem gosta de dar um visual mais clean ao ambiente. 
Cheias de estilo, podem dar uma sensação de um espaço maior. Existem em vários modelos, das modernas a releituras de cadeiras clássicas. Peças translúcidas coloridas podem ser usadas como color block também.
Só cores primárias: vermelho, azul e amarela
A combinação é moderna e alegre.


 Tem uma sala toda neutrinha e não quer mudar o estofado? Cortina em várias peças de cores diferentes, de um tecido leve e transparente, transmitem muita alegria sem pesar o ambiente. De um lado as cores primárias: azul, amarelo e vermelho, e o branco separa as secundárias: laranja e verde.


 Só cores primárias, uma tríade de contrastes perfeitos; As linhas retas e modernas arrematam o ambiente com sofisticação.


 Mais simples ainda é pintar duas paredes, cansou é só pintar de outra cor depois. O amarelo super vibrante se equilibra com o azul mais tranquilo, o resultado é uma sala cheia de vida.

 O lavabo é um ótimo lugar para brincar com cores e não enjoar!

Super contrastes

 O contraste entre cores complementares é o maior de todos, uma combinação que sempre dá certo.

 O sofá vermelho sozinho fica aconchegante, com as cadeiras verdes (cor complementar do vermelho) já dá uma levantada no astral, com a parede amarela, então, é só alegria. 


 Azul e laranja são complementares também, um contraste lindo. A suavidade do azul manteve a sala de jantar mais aconchegante, sem abrir mão de cores contrastantes..

Tons de roxo, lilás e rosa enchem de cor e, ao mesmo tempo, deixam tudo bem tranquilo. Está sem paciência de pintar paredes e não quer investir muito? Almofadas e pufes numa sala neutram também fazem um bom efeito!

Color Block é inspiração para a decoração de um banco no Japão



A arquiteta francesa Emmanuelle Moureaux assina o projeto do banco japonês Sugamo Shinkin  que transmite muita inovação e ousadia. As cores estão presentes por todos os lugares inclusive nas paredes, na decoração e na mobília.

Como contraponto ao branco, cinza e preto – que são predominantes na arquitetura japonesa  –, a arquiteta procurou distinguir sua ideia ao explorar o colorido vibrante na fachada do edifício.  A sobreposição de camadas é uma característica típica da cultura japonesa e tornou-se  fonte de inspiração para a arquiteta. O edifício é composto por doze camadas coloridas que o protegem do barulho externo. 

A fachada possui painéis de alumínio com espessuras idênticas, o lado superior na cor branca permite o reflexo das cores diferentes e, ao mesmo tempo, cria um efeito degradê. Outro diferencial que chama a atenção é que durante a noite, cada painel pode ser iluminado de forma independente. Ao todo foram utilizadas 22 cores no projeto.



O prédio possui três andares. No térreo ficam a agência bancária, os caixas eletrônicos e um lounge com sofás coloridos. Os andares superiores são destinados para os escritórios e as salas de reuniões.


Segundo o banco: “temos prazer em deixar os clientes satisfeitos”. Será que funciona por aqui? Deixa pra lá…




Via moblydesign, casadaidea, acasahomedesign

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os Comentários são moderados.
Não serão publicados comentários fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.